A música da compositora Laurie Spiegel tem origem numa aprendizagem clássica de alaúde pré-clássico e banjo, mas Laurie é também programadora, designer de software, videasta e uma académica frequentemente publicada. É reconhecida internacionalmente pelo seu trabalho pioneiro com sistemas de música eletrónicos e de computador. Foca-se sobretudo no software interativo que utiliza a lógica algorítmica enquanto suplemento às capacidades humanas, e na estética da estrutura musical e do processo cognitivo. As suas obras mais conhecidas incluem a música feita nos anos 70 com o Sistema Híbrido GROOVE no Bell Labs, os seus trabalhos iniciais na transmissão online de música digital, a realização da Harmonia do Mundo, de Kepler, incluída no disco dourado da nave Voyager, e Music Mouse – um instrumento musical inteligente desenvolvido para computadores Mac, Amiga e Atari. Apesar de ser muitas vezes associada aos Minimalistas devido às particularidades rítmicas, modais e de drone presentes no seu LP The Expanding Universe, a sua música recente é consideravelmente mais negra e complexa, tal como é visível nos seus últimos CD’s Unseen Worlds e Obsolete Systems. Vive e trabalha em Lower Manhattan desde os anos 70 e deu aulas na Cooper Union e na Universidade de Nova Iorque (NYU), onde fundou o estúdio de música de computador em 1981.

No Semibreve Laurie Spiegel vai apresentar uma instalação da sua nova composição para a peça de vídeo Maya Deren: Prelude to Generating a Dream Palette de Peter Schmideg.

Peter Schmideg (1953-2014) foi um ator, dramaturgo, argumentista, realizador e locutor e produtor de rádio.